Blog
Home      Blog
  29 de maio de 2012

GUARANÁ AOS DOMINGOS


GUARANÁ AOS DOMINGOS

                                         José Carlos Buch e Edison Thadeu Guerzoni

Na década de cinqüenta e até sessenta, seguramente o sonho de todo   menino pobre era ter uma bola de capotão da Drible(como era conhecida a bola de futebol em gomos de couro e que ficou consagrada com o milésimo gol de Pelé), relógio, bicicleta e poder tomar guaraná. De todos esses desejos,  o mais fácil de ser realizado certamente era o guaraná, contudo, nas famílias pobres, a condição financeira permitia fosse apenas consumido aos domingos, junto com o tradicional almoço de macarronada com frango caipira e, é claro, também nas festas de final de ano. O charme era furar a tampinha de chapa de lata colorida  do caçulinha com a ponta de uma faca(que risco de doenças!) e se deliciar com o precioso refri. Refrigerantes mais caros como  Coca-cola, Crush, Mirinda, Grapette, Guaraná Paulista ou Antarctica eram privilégio dos mais abastados. Cada cidade praticamente tinha uma ou mais fábricas de guaraná e soda que eram os únicos produtos mais populares. Só muito tempo depois, na década de setenta,  passaram a fabricar os refrigerantes sabor cola e laranja e, tal como hoje,  eram pouco aceitos. Em Catanduva, além da fábrica Devito, que existe até hoje, tinha  a fábrica de refrigerantes Nechar, do Pedro Nechar que, sucedida pelos irmãos Bauab(Jamil e Anísio), no final da década de sessenta,  passou a chamar-se refrigerantes Recreio. Aqui aportavam ainda os produtos da marca Ferrari e Pic-nic, ambas de Potirendaba e também os da marca Brasil(muito consumidos na cidade), que eram produzidos pela família Bertoli, em Santa Adélia, cuja fábrica foi desativada não faz muito tempo. Os fabricantes Nechar e Devito, representavam respectivamente as cervejas Brahma e Skol, enquanto que a cerveja Antarctica, a mais preferida no Brasil, porém, superada pela Brahma na cidade,  era distribuída pelos irmãos Soubhia e Merighi, que não fabricavam refrigerantes. A concorrência das cervejas limitava-se às três marcas que, passado meio século, ainda continuam a dominar o mercado.  No segmento de refrigerantes a briga era muito maior, lembrando que o  consumo era limitado principalmente na classe mais pobre,  pois além das cinco marcas regionais(Devito, Nechar/Recreio, Brasil, Ferrari e Pic-nic), o consumidor de maior poder aquisitivo poderia escolher entre os produtos fabricados pelas próprias cervejarias, além da Coca-Cola/Fanta, Pepsi/Mirinda e Crush.  Pedro Nechar lembra com saudade que aos sábados a criançada fazia fila na porta da sua  fábrica para receber produtos que não tinham passado pelo controle de qualidade, tipo: com cisco, pouco gás ou envasamento insuficiente. Para receber o produto descartado era só levar vasilhame. Era a oportunidade de poder consumir o refrigerante sem pagar nada e sem precisar esperar chegar o almoço de domingo.  Essa mesma história, com outra formatação,  se repetia na vizinha Santa Adélia,  mais precisamente com a garotada do Ginásio Estadual e Escola Normal, que ficava nas proximidades da fábrica do guaraná Brasil. Após a aula de educação física e das peladas de futebol coordenadas pelo professor Ivo Dall´Aglio,  os alunos buscavam na fábrica o guaraná recusado pelo controle de qualidade que era feito manualmente, mas bastante rigoroso e eficiente. Na verdade, esse controle consistia numa estrutura cilíndrica metálica onde as garrafas passavam uma a uma sob uma luz intensa para verificar possíveis irregularidades no conteúdo, sendo que as garrafas que não atendiam o padrão da fábrica eram prontamente descartadas, porém, não impróprias para o consumo.  Ainda com as camisetas obrigatórias da aula de educação física, molhadas de suor após os embates futebolísticos, muitos alunos corriam imediatamente para a fábrica e, por um preço irrisório ou até mesmo sem custo algum, abriam as garrafas e,  envolvendo o gargalo da garrafa com a mesma camiseta dobrada para servir de filtro, tomavam de um só gole o conteúdo do refrigerante. Foi-se o tempo do guaraná somente aos domingos. Hoje qualquer criança tem acesso a todo tipo de refrigerante e, isso talvez  explica o porque atualmente do grande número de crianças com obesidade, fato que era raro no tempo do guaraná somente aos domingos. O guaraná é o mesmo,  mas  para as crianças daquela época o refrigerante tinha outro sabor –  o da inocência e responsabilidade da obrigação escolar; da alegria das peladas no campinho de terra; das brincadeiras de salva pega; do divertimento de   nadar e pescar nos riachos e,  da oportunidade de ganhar um tão  sonhado presente no Natal.  

                                                         José Carlos Buch

                                                         advogado tributário

www.buchadvocacia.com.br   

buch@buchadvocacia.com.br

Edison Thadeu Guerzoni

Engenheiro de Materiais, formado pela UFSCAR

etguerzoni@uol.com.br

VEJA TAMBÉM:
10 de maio de 2024
MÃE, SEMPRE COMEÇA COM “M”
10 de abril de 2024
FRASES QUE DIZEM MUITO – PARTE XII
26 de março de 2024
CRIME DA MALA, A VERDADEIRA HISTÓRIA
27 de fevereiro de 2024
FRASES QUE DIZEM MUITO – PARTE XI
19 de fevereiro de 2024
ANEDOTAS DE ADVOGADO
23 de janeiro de 2024
OS IRMÃOS QUE QUASE FICARAM MILIONÁRIOS

Solicite uma reunião com nossos
advogados especialistas:

Desenvolvido por BCS Desenvolvimento
Abrir bate-papo
Olá
Podemos ajudá-lo?