Blog
Home      Blog
  31 de dezembro de 1969

MARQUISE COMO TETO


MARQUISE COMO TETO                                                                  
José Carlos Buch

Na década cinqüenta o majestoso edifício de quinze andares ostentando um jardim natural na cobertura,  bem no centro velho de São Paulo, concentrava a diretoria e o staff  administrativo do grupo Matarazzo que,  segundo alguns historiadores, reunia mais empresas do que todos os dias de um ano do calendário Gregoriano. Com o tempo o grupo se esfacelou e a Prefeitura de São Paulo acabou ficando com o prédio por conta de dívidas que o grupo deixou de pagar e que se acumularam em mais de uma década. Hoje é o Paço Municipal da quarta maior cidade do mundo em número de habitantes. Pela entrada principal transitam, durante o dia,  desde o prefeito, secretários, servidores públicos municipais  e principalmente os contribuintes. Ao final do expediente quando as portas se fecham e a noite cai, a entrada serve de abrigo aos moradores de rua, catadores de papel, desempregados e andarilhos que enriquecem as estatísticas dos brasileiros abaixo da linha de pobreza. Fechou o sinal bem em frente ao prédio e o ônibus fretado pela Magna Via com grande parte dos quarenta e dois turistas de Catanduva e Pindorama que faziam o city tour pelo centro velho, parte do programa que culminaria com  espetáculo(!!!)  “Circu Di Soleil”,  ouviam a eficiente guia Laura Silvia, uma portuguesa do Porto que conhece São Paulo como poucos,  descrever sobre a história do prédio, um projeto de Ramos de Azevedo, em estilo neoclássico. Na manhã fria daquele domingo, de 04 de maio, um casal acabara de acordar sob a marquise do Paço Municipal envoltos em um cobertor surrado,  tendo como colchão uns retalhos de papelão. Primeiro o homem, aparentando não mais do que trinta e cinco anos, razoavelmente trajado, afastou-se poucos metros do grupo e enxaguou o rosto e os cabelos com a água que fez jorrar de uma garrafa tipo “pet”. Em seguida foi a vez de sua companheira. Mais jovem e igualmente, razoavelmente trajada, repetiu o gesto, porém, dando um cuidado maior ao cabelo que, emaranhado exigiu inúmeras escovadas. Quem do ônibus observou essa cena, provavelmente ficou perplexo ao ver um casal ainda jovem sujeitando-se a essa condição subumana  tão deprimente. O que os levou a passar a noite numa noite fria, em companhia de tantos outros párias,  sob a marquise do prédio que é a sede da prefeitura de São Paulo, certamente, nunca descobriremos. No entanto,  esse casal certamente tem uma história que pode não ser muito diferente da história de seus companheiros de calçada, mas que provavelmente tem uma particularidade. Um dia eles tiveram uma vida digna e esperam a oportunidade de  voltar a tê-la, tal como a sorte que norteou o prédio dos Matarazzo que teve o seu glamour,  chegou a ficar abandonado e depredado e hoje é destaque como ponto turístico do centro velho de São Paulo. De todo o modo, é preciso que presenciemos cenas como essa para que possamos dar um pouco de valor ao conforto e à qualidade de vida que Deus nos proporciona.                      

advogado tributário

www.buchadvocacia.com.br   

colaborador do Notícia da Manhã

VEJA TAMBÉM:
10 de maio de 2024
MÃE, SEMPRE COMEÇA COM “M”
10 de abril de 2024
FRASES QUE DIZEM MUITO – PARTE XII
26 de março de 2024
CRIME DA MALA, A VERDADEIRA HISTÓRIA
27 de fevereiro de 2024
FRASES QUE DIZEM MUITO – PARTE XI
19 de fevereiro de 2024
ANEDOTAS DE ADVOGADO
23 de janeiro de 2024
OS IRMÃOS QUE QUASE FICARAM MILIONÁRIOS

Solicite uma reunião com nossos
advogados especialistas:

Desenvolvido por BCS Desenvolvimento
Abrir bate-papo
Olá
Podemos ajudá-lo?